1. Home
  2. Notícias

Lei municipal de SP obriga coworkings a cobrar ISS de seus clientes

26/02/2018

Os escritórios compartilhados (coworkings) e escritórios virtuais da capital paulista passaram a ser responder solidariamente pelo Imposto sobre Serviços (ISS) daqueles que locarem seus espaços das pessoas físicas ou jurídicas que alugam seus espaços e que não tenham inscrição no Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM).

A obrigação foi fixada na Lei Municipal 16.757/2017, publicada em novembro de 2017, que alterou o artigo 13 da Lei 13.701/2003.

A cobrança, contudo, deve ser questionada no Justiça. O advogado Fabio Cury, sócio do Urbano Vitalino Advogados, considera a exigência ilegal e inconstitucional, porque os escritórios não têm relação — nem mesmo indireta — com o serviço prestado pelos usuários do espaço. Ele afirma ainda que é praticamente impossível fiscalizar constantemente a inscrição das empresas no CCM.

O advogado diz que a norma é inconstitucional tanto do ponto de vista formal como do material. Formalmente, explica, porque o município não teria competência para criar uma nova modalidade de responsabilidade tributária solidária, não prevista em lei nacional.

Quanto ao seu conteúdo, Fabio Cury diz que a norma cria para os escritórios virtuais e congêneres uma obrigação de fiscalização de seus clientes que, embora questionável, não parece, por si só, contrária à Constituição.

"O problema reside na circunstância de punir o descumprimento dessa obrigação com a responsabilidade pelo pagamento dos tributos devidos pelo clientes fiscalizado. Essa vinculação infringe uma série de importantes normas do sistema tributário nacional, desde a regra geral de que o responsável deve manter alguma vinculação com o fato gerador, como prevê o artigo 128 do Código Tributário Nacional, até o princípio constitucional da capacidade contributiva."

Thiago Garbelotti, sócio do Braga & Moreno Consultores & Advogados, aponta que o artigo 124 do Código Tributário Nacional autoriza que o Fisco atribua o pagamento do tributo a terceiros. O problema da lei paulista, para ele, está em falar em responsabilidade solidária sem que haja interesse comum na situação que constitua o fato gerador do ISS, como determina a lei nacional.

“Na medida em que loco um espaço e a pessoa presta um serviço, o fato de recolher ou não tributo é indiferente para mim. Não tenho envolvimento com o fato gerador”, exemplifica. Com isso, conclui, a norma paulistana ultrapassa os limites previstos no CTN.

Outra questão levantada por Garbelotti diz respeito à falta de isonomia criada pela norma paulistana. Isso porque a lei não diz nada sobre outras pessoas que fazem locações para outras finalidades. “Imagine que eu tenha um galpão e o alugue para uma festa. A empresa de eventos que o alugou tem que pagar o ISS, mas não há previsão para que eu, dono do local, tenha essa obrigação.”
Fonte: Consultor Jurídico

Outras Notícias

Não é possível acumular adicionais de insalubridade, define TST

17/12/2018
Não há embasamento legal para acúmulo de adicionais de insalubridade. Com este entendimento, a 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a impossibilidade de cumulação e condenou uma empresa de...
Ler Notícia

Como descobrir uma empresa inidônea na escrituração da sua empresa antes da visita do fisco

17/12/2018
empresa que se encontrava na situação ativa e regular agora passou a ser declarada irregular e inidônea e o que é pior, retroagindo os efeitos da inidoneidade desta empresa fornecedora para desde a sua abertura, o que...
Ler Notícia

IIA Brasil e IBGC lançam guia detalhado sobre a auditoria interna

17/12/2018
Sobre o IIA Brasil O Instituto dos Auditores Internos do Brasil completou 58 anos de fundação sendo uma das cinco maiores entidades da carreira do planeta, entre os 190 países associados ao The Institute of Internal Auditors...
Ler Notícia

E-book gratuito com dicas imperdíveis para não errar no Imposto de Renda 2019

17/12/2018
Redação Contábeis...
Ler Notícia

Sua empresa está preparada para as exigências legais que entram em vigor em 2019?

14/12/2018
 ...
Ler Notícia

+ Notícias

Nossos Produtos e Soluções